Noticías

Órgãos | Doação e Transplantação

O Centro de Sangue e Transplantação de Coimbra, acolheu esta segunda-feira, dia 25 de março de 2019, a cerimónia de apresentação dos resultados da atividade de doação e transplantação de órgãos, relativos a 2018, que contou com a presença da Ministra da Saúde, Marta Temido .

Os dados do relatório do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST), cuja apresentação esteve a cargo de Ana França, Coordenadora Nacional da Transplantação, revelam que o número de transplantes diminuiu em 2018 em Portugal, ano em que se registou a média mais elevada de sempre na idade do dador (57,3 anos).

A Ministra da Saúde sublinhou que «os resultados apresentados mostram bem que Portugal continua a ter uma posição cimeira relativamente à transplantação. Vale a pena sublinhar que Portugal continua a ser o segundo país com melhores resultados nesta área», referiu.

Segundo Ana França, em 2018 foram colhidos 976 órgãos e realizaram-se 757 transplantes, menos 102 do que em 2017.

Na apresentação da atividade de doação e transplantação de órgãos, tecidos e células, a responsável salientou que no ano passado o tempo de espera para um doente ser transplantado diminuiu 3% e o que número de óbitos de doentes à espera de transplante diminuiu 2,9%.

Em 31 de dezembro existiam 2.186 pessoas à espera de um transplante, a maioria de rins. De acordo com a Coordenadora, 53% das pessoas que aguardam por um rim são transplantadas em menos de dois anos.

Numa análise às causas da diminuição do número de transplantes, Marta Temido disse que o país não deixa de se «ressentir daquilo que é a tendência generalizada para o envelhecimento da população e, portanto, de alguma forma, de dadores com mais idade e menor possibilidade de doação».

«Por outro lado, também se regista alguma evolução terapêutica em algumas áreas, como a hepatite C ou mesmo a paramidoilose, que têm conduzido a uma menor necessidade [de transplantação], e estas serão as duas prováveis causas para estes números», referiu.

«Existem novos desafios, novas possibilidades de transplantação, novas técnicas, novas realidades, e é isso que temos de adotar se queremos continuar na vanguarda e a salvar vidas graças a estes progressos», salientou.

A Ministra da Saúde acrescentou ainda que merece «atenção e reflexão» o diferente desempenho dos vários hospitais integrados no Serviço Nacional de Saúde relativamente aos seus resultados de doação de órgãos.

A transplantação de órgãos é um tratamento eficaz na poupança de vidas, sustentado quer a nível da ciência médica, quer a nível da economia da saúde, com benefícios diretos para os doentes, o que contribui para a melhoria das condições de vida em sociedade.

Visite:
IPST – http://www.ipst.pt/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *